Namorando (e terminando) com virtude

Estilingues
Lembra da história de Davi e Golias? Aquela que um pequeno pastor proclama uma vitória inesperada sobre um guerreiro gigante em uma batalha de tudo ou nada com apenas um estilingue? Quando você pensa nisso, talvez veja Davi entrando na batalha com apenas seu estilingue e uma oração, mas não foi bem assim. Sim, a mão de Deus certamente estava com Davi na batalha, mas não apareceu apenas naquele dia. Muito antes de sua batalha com Golias, Davi estava se preparando. Antes da batalha épica de Davi, ele era um pastor. Isso mesmo, ele via ovelhas o dia todo. Parece uma vida sem intercorrências, até que você considere o fato de que um pastor não apenas olha as ovelhas, ele as protege. Durante os dias que ele vigiava, Davi ficava praticando com o estilingue, de modo que, se um predador chegasse, como um leão ou um urso, ele estaria pronto para atingir o animal, que é exatamente o que ele fez em diversas ocasiões.

Quando ninguém estava olhando, Davi estava construindo as habilidades necessárias para usar um estilingue com facilidade e perfeição, e quando ele tinha que usar essas habilidades, ele estava tomando o hábito de ser corajoso. E mesmo que ele não tenha previsto o quanto ele precisaria dessas duas habilidades um dia, ele ainda estava cultivando as virtudes necessárias para salvar seu povo.

Virtude: Um Bom Hábito
O Catecismo define uma virtude como “uma disposição habitual e firme para praticar o bem” (CIC 1803). Basicamente, é um bom hábito que é fácil de ser realizado por alguém. E, assim como qualquer bom hábito ou habilidade, ganhamos através da prática. Qualquer um é livre para bater nas teclas de um piano, mas se eles não foram treinados na arte de tocar piano, eles só farão barulho. É apenas a pessoa que dedica tempo e energia a aprender a tocar que é realmente livre para fazer música

O mesmo é verdade no tempo de namoro. Qualquer pessoa é livre, ou é permitida, para entrar em um relacionamento romântico com alguém, mas se eles querem ser livres ou verdadeiramente capazes de amar e serem amados, eles devem ganhar as habilidades necessárias para fazê-lo, e essas habilidades são as virtudes. Mesmo se você não está em um relacionamento agora, você pode praticá-las, então, quando for a hora, assim como Davi, você estará pronto.

Terminando com virtude
As virtudes são divididas em duas categorias: moral e teologal. Para simplificar, vamos apenas tratar das virtudes morais, ou humanas. As virtudes morais são categorizadas a partir das quatro virtudes cardeais: prudência, justiça, fortaleza e temperança. Abaixo temos as suas definições, um exemplo de como elas se aplicam ao mundo dos términos de relacionamento (que pode ser um tempo desafiador para ser virtuoso!) e como podemos exercitá-las na prática.

Prudência: Uma pessoa prudente é sábia e toma boas decisões com base no conhecimento esclarecido sobre o certo e o errado. Por exemplo, uma pessoa prudente reflete e considera cuidadosamente uma potencial relação, e não entra em uma sem cautela. Se, em qualquer ponto do relacionamento, percebe que já não está certo, então eles o terminam. Para praticar essa virtude, trabalhe para tomar decisões bem planejadas ao invés de sempre atuar por impulso. Meça suas opções e considerar suas consequências positivas ou negativas

Justiça: O mundo entende que a justiça é o que os outros nos devem, mas tradicionalmente a justiça é o que devemos aos outros. Uma pessoa que pratica a justiça é justa e olha os outros como uma alma com dignidade que merece ser tratada com respeito. Por exemplo, se uma pessoa justa não pode ver um futuro com alguém que está namorando, ela se separa porque eles não querem tratar a pessoa como uma coisa que eles estão usando para apenas preencher um vazio. Para praticar essa virtude, trabalhe em amar as pessoas por quem elas são, não pelo o que elas podem lhe dar.

Fortaleza: Uma pessoa que tem fortaleza é corajosa. Por exemplo, eles não têm medo de se separar de alguém porque não querem magoar seus sentimentos ou porque têm medo de que, se o fizerem, ficarão bravos com eles. Se o relacionamento já não é certo, eles fazem o corajoso e terminam. Para praticar essa virtude, enfrente um medo, saia da sua zona de conforto e desafie-se a fazer algo que você sempre evitou.

Temperança: As pessoas temperadas podem conter-se e ter autocontrole sobre seu corpo e emoções, e não o contrário. Uma pessoa temperada não namora as pessoas apenas para que elas possam cumprir seu desejo de prazer físico ou emocional, elas praticam castidade e, se descobrem que uma relação as coloca em uma situação em que não podem agir assim, elas ou se separam ou colocam fronteiras em seu relacionamento (como não estar sozinho em um quarto escuro). Para praticar essa virtude faça jejuns ocasionais de pequenas coisas, como não salgar sua comida, não comer sobremesa ou tomar banhos frios, para que você possa aprender a dizer ao seu corpo que está no controle.

Se você trabalhar duro para obter e continuamente praticar essas quatro virtudes, você vai desenvolver as habilidades necessárias para ser livre para amar e ser amado.

Sejam santos, vale a pena!

(Este post foi originalmente publicado em FOCUS.)

[O tradutor pede, cordialmente, uma Ave Maria em intercessão por sua vocação.]

_______________________

Lisa Cotter é uma palestrante nacionalmente procurada sobre os temas de relacionamentos, feminilidade e vida vivenciada com excelência. Ela é formada no Colégio Beneditino; desde 2007, ela e seu marido, Kevin, serviram FOCUS (a Sociedade de Estudantes Universitários Católicos) como uma família. Lisa e Kevin são co-autores de “Dating Detox” e ela é a fundadora da Made to Magnify, um ministério com a missão de ajudar as pessoas a se tornarem santos – porque vale a pena.

Leave a Reply